Saiba qual o papel do dentista contra o mau-trato infantil

Os dados sobre a violência doméstica infantil são assustadores. Só no Brasil, anualmente, 10 milhões de crianças e adolescentes sofrem maus-tratos, independentemente da classe social, da religião ou da escolaridade familiar. E você, dentista, tem um papel fundamental contra esses abusos.

Recentemente, o Conselho Federal de Odontologia (CFO) divulgou uma cartilha (acesse aqui), produzida por uma universidade brasileira, com informações e formas de ajudar as vítimas por meio do profissional de odontologia.

Por que os dentistas?

Além dos médicos, os dentistas podem ser os primeiros profissionais a atender vítimas de maus-tratos, pois a maioria das agressões físicas acontece na face, na cabeça e no pescoço. Daí a importância de saber como reconhecer os sinais de abusos e identificar as formas de ajudar as vítimas nessas situações.

Principais sinais de agressão

Os principais sinais de maus-tratos e abusos sexuais são:

  • Queimaduras;
  • Lábios machucados no canto da boca, com hematomas, equimoses e cicatrizes;
  • Dentes fraturados, avulsionados e com alteração da cor;
  • Alteração de comportamento, lesões de DST, petéquias e eritema em palato mole e duro (indica sexo oral forçado).

Vale acrescentar aqui a importância de o dentista observar o comportamento da criança. Ela está acuada, aparenta medo? O adulto que a acompanha não deixa que ela explique o que aconteceu de fato? Quando estiver a sós com a criança, não deixe de questionar diretamente a ela como o ferimento aconteceu etc.

Como e onde denunciar?

Em suspeita de maus-tratos, o dentista tem a obrigação legal de notificar o caso ao Conselho Tutelar, sem necessidade de apresentar provas, com sigilo garantido, sendo sugerido não interferir pessoalmente na situação. A denúncia também pode ser feita pelo Disque Denúncia Nacional por meio do número 100; na Autoridade Policial e/ou no Ministério Público.

Este artigo lhe ajudou? Leia também Câncer de boca: você fala disso com seu paciente?

Deixe uma resposta